You are currently browsing the tag archive for the ‘metal’ tag.

Oi galera!

Primeiramente desculpe-nos pelo período de inatividade do blog, mas tivemos umas semanas bem corridas e só agora estamos voltando para “colocar a casa em ordem”.

Dia 21/03 fizemos um show “teste” no aniversário do vocalista Tato Deluca. O show teve abertura das bandas Legs Up! e Hot Doggers, ambas contam com Tato em suas formações (vocalista na primeira e guitarrista na segunda).

Normalmente pessoas publicam reviews de shows, estamos abrindo esse espaço para passar nossas impressões, e também para ouvir a impressão daqueles que foram no show! 

 

Tato Deluca: 
“Foi uma noite muito especial pra mim! Além de meu aniversário eu estava mostrando para os meus amigos que meu sonho estava se concretizando. Há 3 anos eu havia feito uma festa com o falecido Dragon King e os Hot Doggers, naquele show ficou evidente que a banda precisava tomar outro rumo, mas eu prometi pra galera naquela noite que a próxima vez que subisse no palco para tocar Heavy Metal, meu sonho estaria realizado. E foi o que aconteceu!

O show do Legs Up! Foi um bom teste pro meu novo equipamento de palco, o in-ear fez com que eu me ouvisse perfeitamente bem, e pude executar um show sem grandes problemas e com uma audição perfeita. Certamente quem viu o show deve ter pensado que eu forcei a voz, mas quando um vocalista se ouve com clareza ele consegue controlar bem o que está fazendo… e eu ia precisar, pois tinha mais dois shows pela frente! A banda tocou bem os covers, todos estavam bastante animados, nem parecia que era o último show da banda!

Nos Hot Doggers eu toco guitarra, mas faço backing vocals em todas as músicas e ainda tem algumas que canto solo. Foi bom para descansar a garganta, o show em si foi extremamente divertido, demos muita risada pois as letras que falam sobre a temática do Cachorro Quente mantém o clima sempre pra cima!  O vocalista, Vince Vader (@vincevader), é um showman nato e anima a platéia como ninguém.

Finalmente chegava a hora do show do ACLLA. Minha garganta seria colocada a prova, mas ao mesmo tempo nunca me senti tão confortável: além do bom retorno, as músicas foram compostas 100% para a minha voz. Os meses que passei cantando covers me ajudaram muito a ganhar segurança nos agudos e treinar técnicas as quais eu não estava acostumado. Tanto me faz bem esses treinos, que mesmo após o fim do Legs Up!, decidimos remontar a banda e seguir em frente com covers ainda mais ousados (por exemplo, Queen).

Em termos de execução o show foi muito bom em nosso ponto de vista, a banda subiu no palco para arrebentar tudo, e literalmente arrebentou (basta considerar que o Eloy arrebentou a estante do Crash na primeira música, e arrebentou a estante reserva na segunda música. rs.). Em termos de som, a casa era pequena, a bateria estava microfonada por causa das outras bandas, não houve passagem de som exclusiva para o ACLLA e isso nos causou problemas.

De todo modo fizemos uma reunião para conversar sobre esses aspectos técnicos e foi bom para que decidíssemos como as coisas devem ser daqui para frente!”

A banda mesmo tendo pouco retorno estava animada, agitamos bastante e o público pareceu sair bem feliz, é isso que importa! No Heavy Metal, você sente que a platéia está feliz se eles pulam, gritam, se batem, e isso tudo aconteceu, então estamos bastante satisfeitos com o show!

É isso aí galera, se você quiser opinar a respeito, fique a vontade, o espaço é seu!

 

/|\

Anúncios

Postado por Tato Deluca:

Pessoal,

Sei que às vezes é difícil entender por que um álbum demora tanto para ser lançado. Resolvi escrever esse post que desmistifica um pouco todo esse processo, mas pode servir de ajuda e inspiração para as bandas novas que querem gravar seu material algum dia.

O processo todo no caso do ACLLA teve início no segundo semestre de 2007. Apresentei para o produtor Ricardo Nagata o material cru, que eu havia gravado no computador da minha casa, apenas guitarra e voz. Com o material na mão, comecei a me encontrar com o baixista Bruno Ladislau para trabalharmos os arranjos.

Re-arranjamos algumas músicas, e novas idéias foram surgindo. Mostrei essas novas idéias para o Nagata, e ele me convenceu a substituir várias das músicas antigas por essas idéias novas. Voltamos ao processo de arranjo, esse processo levou cerca de 6 meses. 

Em abril de 2008 começamos a gravar a pré-produção, todos os arranjos prontos foram gravados, com bateria programada, baixo, guitarras e voz para testarmos o material. O “Japa” também me deu uma ajuda, ele já queria direcionar o tipo de voz que eu ia fazer no disco, portanto acompanhou a gravação das vozes para alinhar minha interpretação.

Depois da pré-produção finalizadas, voltamos a parte de arranjos. Trabalhamos as músicas que não tinham ficado tão boas, mudamos algumas bases de solo, escrevi as letras que estavam faltando, etc.

Nesse meio tempo a banda passou por algumas mudanças de formação, entraram na banda Eloy Casagrande (baterista) e Chrystian Dozza (guitarrista). Com esses músicos, novas idéias foram surgindo, e passamos a ensaiar os arranjos da pré para que todos pudessem colocar as suas idéias nas músicas.

Ficamos ensaiando por cerca de 6 meses até que pudéssemos definir as músicas como prontas. Esses ensaios não envolviam somente ensaios da banda toda. Bruno e Eloy se encontravam constantemente para compor a “cozinha” das músicas. Eles realmente tem um entrosamento assustador e criaram linhas extremamente bem trabalhadas com repiques de baixo e bateria totalmente sincronizados!

Os guitarristas, Chrystian Dozza e Denison Fernandes também faziam ensaios separados para a composição dos solos! Esses ensaios renderam momentos do disco que realmente estão emocionantes, como o solo de Beyond the Infinite Ocean!

Por fim entramos em estúdio em abril de 2009! Passamos o ano todo gravando, não por dificuldade dos músicos – Eloy gravou todas as baterias em 2 dias! Bruno gravou as linhas de baixo em 2 dias.

Tivemos alguns problemas de agenda, tanto por parte do estúdio quanto dos músicos. A gravação de guitarra base foi a que mais demorou. Conseguíamos gravar a cada 2 ou 3 semanas mas o resultado fez jus a todo o trabalho que tivemos!

Devido ao atraso na gravação de guitarra tive que aproveitar uma brecha nessas gravações, que foi justamente meu período de férias no trabalho extra-banda, para gravar os vocais principais!

A maioria deles foi gravado em cima de guitarras guia! O que deve-se ter muito cuidado ao executar esse processo inverso é de que as guitarras estejam 100% afinadas. Uma desafinação pode prejudicar toda a linha de voz, e como estúdio é pago por hora, não é bom regravarmos nada!

As linhas de voz principais foram gravadas em duas semanas, 6 ou 7 horas de pé atrás de um microfone, cantando com toda a pegada possível durante 12 dias, mas é um esforço realmente gratificante.

Concluímos as gravações de base em setembro e começamos a gravar os Solos e Backings. Esse processo foi mais rápido, em um mês e meio estava concluído.

Em novembro tínhamos todas as músicas gravadas, com exceção dos instrumentos exóticos – theremin, didgeridoo, percussão. Os teclados foram gravados apenas em janeiro desse ano e o theremin no inicio de fevereiro.

Enquanto isso o produtor Ricardo Nagata está mixando e masterizando o álbum. Na realidade o processo de mixagem é o mais demorado.

Primeiro uma música é mixada à exaustão (no caso a escolhida foi The Totem). Depois que ela fica perfeita os timbres e volumes são testados nas outras músicas que teriam o mesmo “clima”, funcionando, excelente, se não funcionar, deve-se tratar individualmente a música.

Temos músicas muito variadas no álbum, nenhuma parece com a outra, temos momentos mais Hard Rock que não soariam bem com a distorção de uma The Totem por exemplo, assim como temos uma moda de viola que é  acústica, músicas com intro em violão, é impossível definir uma configuração de volumes e timbres que funcionaria para todas.

Por esse motivo estamos nesse pé hoje: The Totem, Jaguar e The Hidden Dawn estão mixadas e com masters provisórias – a Masterização final ocorre depois que todas as músicas estão 100% mixadas. Assim define-se um volume e frequências que funcionam para todas as músicas, e deixa-se o disco totalmente uniforme!

A previsão é que tenhamos as músicas do EP prontas hoje (lançaremos uma PROMO edition com 4 ou 5 músicas em no máximo 1 mês). Com isso enviamos o material para a prensagem (essa Promo será prensada de forma independente).

O álbum mesmo, decidimos nos dar um pouco mais de tempo para negociarmos com os selos. Ele terá 12 músicas, as quais já descrevemos em posts anteriores. Para selos internacionais temos 2 bônus reservados, quando tudo estiver lançado, fazemos questão de disponibilizar esse bônus aqui para vocês, mesmo por que podemos tocá-los nos shows (e provavelmente vamos!)

Fiquem ligados galera, está tudo acontecendo e quando menos esperarmos o álbum já estará em suas mãos!

Grande abraço
/|\

Segue o video da Totem antes de ser mixada, posso dizer que os timbres e volumes estão 300% melhores, mas vale a pena relembrar a melodia!
Grade abraço galera!
/|\

Vamos revelar a primeira música finalizada do ACLLA, mas queremos a participação de vocês!

Lançamos uma enquete com 3 opções, três músicas que já temos mixadas e masterizadas: The Totem, Jaguar e The Hidden Dawn.

Os reviews dessas músicas podem ser encontradas aqui mesmo neste blog, em posts anteriores, sintam-se a vontade para votar na enquete e ajudem a gente a decidir qual vai ser a primeira música do ACLLA revelada na sua versão final!

A enquete também está disponível em nossa comunidade do orkut:
http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=48447150

Valeu galera, contamos com a participação de vocês!

/|\