Postado por Tato Deluca:

Ontem fizemos uma pequena reunião aqui em casa, estávamos o Bruno, o Eloy, eu e mais alguns amigos. Jogamos alguns jogos, assistimos “Quanto Mais Idiota Melhor” e  ouvimos muita música…. Mostrei algumas coisas da minha coleção da NWOBHM pros caras se aprofundarem nas raízes desse estilo e por fim mostrei algo muito peculiar:

Meus CD’s de música indígena.  Em particular o “Cantos da Tradição Karajá”.

1) A Música Indígena:

Tenho alguns CD’s indígenas com coros de crianças, também são bons, mas esse mostra a “ousadia” musical de um povo que não conhecia nada de Teoria. Nem melodia, nem harmonia e nem rítmo. Mesmo sem essa base (alias eu diria por causa dessa ausência de base) eles iam além da nossa musicalidade.

Para um ouvido ocidental soa completamente desafinado… chega a incomodar e até assustar algumas pessoas! Em uma determinada música, dois indios começam a cantar a mesma frase, no mesmo tom, um respondendo o outro sobrepondo as vozes…. eles começam a correm em volta do microfone gritando e o tempo da música vai aumentando, aumentando, até que você ouve apenas sons rápidos e repetitivos em um ritmo hipnótico que fica girando de uma caixa para a outra… isso é assustador, mas ao meu ver é GENIAL!

Ninguém na música instituida hoje faz isso, usar a voz humana como recurso para gerar um ritmo de maneira hipnótica, eles iam mudando as frases de vez em quando e uma nova “textura” surgia em nossos ouvidos!

Encaro a música indígena como aqueles mosaicos que quando você se concentra aparece um desenho em terceira dimensão (existem vários livros que tem esse tipo de ilusão de ótica). Quando você se concentra no canto indígena você percebe melodias embrionárias (mesmo eles cantando “desafinadamente”).

Sim, a origem de toda a música verdadeiramente brasileira (que veio das raízes dessa terra e do povo que vivia aqui antes da colonização européia) é a música indígena! Se reparar bem, você vai ouvir melodias que foram base para as modas de viola, para o baião, que vieram diretamente de antigas cantigas indígenas baseadas nos ritmos Cateretê e Cururú (a pronúncia desses nomes gera exatamente a batida do rítmo).

Ontem, ouvindo a música indígena sentimos como se nossos ouvidos começassem a se limpar… como se depois de anos estivéssemos “tirando a cera do ouvido” e nos purificando para compor algo original (mesmo em tempos que dizem que isso não existe mais!)

2) O Heavy Metal:

Como muitos já sabem, o Heavy Metal é um estilo originado no Rock N’ Roll, que por sua vez veio do Blues. O Heavy Metal é um estilo raivoso, que teve sua primeira marca registrada na distorção e nos vocais “gritados”, pegando de surpresa os ouvintes da época!

O Heavy Metal evoluiu através da incorporação de influências no som, a música clássica européia foi incorporada, a música renascentista, a música oriental, varias escalas fizeram o estilo crescer para vários lados, música folclórica de diversos países foram misturadas ao Heavy Metal dando origem a estilos totalmente diferentes dentro do Metal (ouça Viking Metal, Folk Metal, ou até mesmo System of a Down que isso fica claro).

3) A mistura:

Somos Brasileiros… deveríamos ter orgulho disso! Quando você ouve uma banda de Heavy Metal britânica, você percebe logo de cara que é britânica! Quando você ouve uma banda alemã, você consegue perceber que é uma banda alemã, assim como uma banda americana normalmente soa americana!

O que nunca entendi é por que as bandas brasileiras querem soar européias!!!! Por que inumeras bandas misturam música celta, musica folk, ou mesmo exploram somente influências do Power Metal alemão em suas músicas?

Basta você refeltir: quem são as maiores bandas de Heavy Metal brasileiras? E pensar o que eles fizeram para isso… qual qa diferença deles em relação as outras? É MUITO SIMPLES! Eles simplesmente soaram Brasileiros!

Se alguem quer ouvir metal alemão, vai procurar uma banda alemã! Se um gringo pega um CD de uma banda brasileira, ele definitivamente não quer ouvir metal alemão!!!

Sepultura e Angra enxergaram isso! Holy Land e Roots são dois marcos REAIS do Heavy Metal Brasileiro e todas as bandas brasileiras deveriam se mostrar brasileiras e seguir esse caminho, claro que dentro do seu estilo…

Temos Sepultura, uma excelente banda de Thrash Metal… eles pegaram, entraram no mato, ficaram com a tribo dos Kaiowas, aprenderam o que é música brasileira “Raíz”, misturaram com o Thrash Metal e fizeram o Roots! Genial!

O Angra é uma banda de Power Metal Melódico, eles misturaram o baião com Metal Melódico e fizeram o Holy Land! Outro disco genial!

Nós, do ACLLA, somos uma banda de Heavy Metal tradicional (apesar de soar moderno) e como tal nossa mistura com a música brasileira soa diferente do Sepultura e do Angra, justamente pela base da mistura ser diferente. Quando comecei a compor músicas influenciadas pela música indígena percebi que elas soavam diferentes dessas duas bandas que já tinham ousado essa mistura… fiquei realmente aliviado por isso!

O que realmente não entendo é por que essas bandas que já fizeram a mistura não continuaram com ela??? Somos brasileiros caras, se vocês chegaram lá, continuem nisso, esse é o caminho de nossa música!!! A diluição dessas bandas diluiu essa mistura, o que foi muito triste para todos nós, que continuamos aqui, querendo mais clássicos do Heavy Metal vindos de nosso país!

Pretendemos continuar compondo cada vez mais nessa linha pois é aí que mora a originalidade, no canto dos Karajás, dos Kaiowas, do Kaiapós, dos Guaraní…. Temos que solidificar essa mistura e mostrar para o MUNDO o que é o HEAVY METAL BRASILEIRO!  

Anauê!
/|\

Anúncios