Postado por Tato Deluca:

Ae galera, chegamos a parte final do Review de nosso primeiro álbum, Landscape Revolution.

Vou contar um pouco da idéia das 3 músicas que faltam, elas certamente são muito diferentes das outras, alias, todas são bem diferentes uma da outra… Na realidade quando começamos a juntar as idéias pra compor o álbum pensei que existem 2 tipos de bandas:  As bandas que conseguem criar excelentes discos, um atrás do outro, usando sempre as mesmas idéias (como o AC/DC, uma das primeiras bandas que ouvi e virei fã) e bandas que não se repetem de jeito nenhum, explorando diversas sonoridades, e mesmo assim se tornaram as maiores do mundo em suas épocas (como Beatles e Queen)…. Dava para trabalhar pelos 2 caminhos, mas eu optei pelo segundo… não quero repetir músicas… podem até achar que somos uma salada musical a princípio, mas ninguem acusaria os Beatles de falta de personalidade!

Esclarecido isso, demos continuidade a descrição:

10 – Flight of the 7th Moon:
Essa canção foi uma das últimas que compostas para o disco. Criei ela em 2007, na mesma época que a Totem, mas ela logo me chamou a atenção pelo seu lado Progressivo. Logo de cara um “Arena Rock” que parece uma mistura de Thunderstruck com alguma música do U2 (a levada de bumbos que o Eloy criou nesse começo está de arrepiar)… depois entra um riff hard rock clássico, direto e seco… bem na linha de Burn do Deep Purple… e desemboca em um riff power metal com uma bateria totalmente torta e quebrada… isso é a base do canto…. a partir daí vocês ouvirão uma sucessão de partes onde apenas a ponte A e B se repetem… o refrão aparece onde entraria um C, e retorna apenas depois dos solos… alias… prestem atenção na base do solo…. Denison e Chrys mostraram suas idéias mais tortas nessa música, e ela se tornou tão absurdamente complexa que será realmente divertido ouvi-la ao vivo!
A letra fala de uma iniciação xamânica, uma tradição propagada por uma sociedade de mulheres que tem como objetivo o estudo e compreensão dos rituais de proteção… a criação de escudos que as defendem de ataques espirituais…. assim como a música a letra também é bem esquisita (hehehe), vale a pena pesquisar sobre o tema!

11 – The Hidden Dawn:

Essa música foi composta em 1998 e se tornou o maior clássico do Dragon King, com o nome “The Dragon Lives”. Quando a mostrei para o “Japa” e para o Bruno, eles logo perceberam que ela realmente tinha melodias muito fortes, e um refrão totalmente marcante… o único problema era a roupagem…. ela era um Power Metal cheio de O-O-O’s e momentos épicos para deixar o Massacration cheio de orgulho!
Depois de quase um ano re-arranjando a música… conseguimos chegar a um resultado único… a idéia original e Power está lá… mas a levada foi totalmente transformada…. usamos uma guitarra de 7 cordas para aproveitar o tom original (B) deixando-a muito mais pesada! O o-o-o do começo foi refeito com um Slide de guitarra (estilo country), o que transformou a melodia épica em algo totalmente inovador, um clima positivamente estranho! O andamento da música foi puxado para trás na parte dos cantos, o que deu ainda mais impacto para a ponte e o refrão, quando o “bicho pega” de verdade! Por fim o refrão foi enriquecido com um lead de guitarra com apelos radiofônicos… e isso deixou a música realmente interessante! (A versão do myspace provisório não faz juz ao que essa música se tornou!)
A parte lírica é diretamente um chamado do povo da natureza, pedindo para todos que se sentem parte desse mundo se unirem nessa grande revolução… Ouçam a letra com carinho, que vocês descobrirão o amanhecer que está oculto!

 12 – Sun N’ Moon:

Esta canção fala sobre a lenda Guarani do amor impossível entre o Sol e a Lua… o Sol, vendo seu amor solitário à noite, ficou tão triste que chorou, e suas lágrimas se tornaram as estrelas que acompanham a Lua nas noites tristes….
A melodia, seguindo a temática indígena brasileira, foi composta sobre um dos ritmos que se derivaram diretamente da música indígena… o Cateretê…. esse ritmo que inicia a música e leva o ouvinte até uma moda de viola, tocada de maneira impressionante por Chrystian Dozza, que pode exibir todo seu estudo erudito nessa canção (para conhecer mais sobre o trabalho de Chrystian, procure nos videos relacionados de nosso canal do You Tube).
A única balada do disco tem uma melodia linda, honesta e totalmente ligada a nossa terra… somos Brasileiros e o mundo tem que conhecer as belezas de nosso pais… de nossa cultura… desse interiorzão cheio de verde e de gente simples mas que conseguiu traduzir a vida rural em forma de música….
Esta é a música mais diferente do disco, e esperamos que os ouvintes percebam que nossa musicalidade transcende o Heavy Metal que tanto amamos… por esse motivo ela foi escolhida para fechar o álbum… preparando o público para o próximo onde novos caminhos serão explorados!

Um grande abraço a todos!
/|\

Anúncios